Opinião

Mário Rodrigues: O embaixador Mendi

16

Atualmente, o Mendi é o mais antigo e mais genuíno embaixador da gastronomia indiana no Porto e no país.

Atualmente, o Mendi é o mais antigo e mais genuíno embaixador da gastronomia indiana no Porto e no país.

Largos anos atrás, recordo-me de um restaurante Indiano ter aberto na cidade do Porto, numa rua estreita ao lado do hotel Meridian atual Tiara. Passaram quase 20 anos, numa época em que não eram vulgares os restaurantes Indianos. Despertou a minha curiosidade e fui experimentar. Fiquei agradado já na altura, pelo ambiente, pela cozinha e invulgar simpatia. Há cerca de 6 anos, de regresso ao Porto, ouvi falar novamente no mendi e fiquei surpreendido, pois pensei que já não existisse ao fim de tantos anos e voltei. A qualidade, a cozinha e o dono do restaurante mantinham-se, para meu espanto.

Atualmente o Mendi é o mais antigo e mais genuíno embaixador da gastronomia Indiana no Porto e no país. A sua ementa é um completo mostruário do que de melhor a Índia pode oferecer da cozinha do nordeste do país. Kamal, o proprietário e excelente profissional, simpático e afável, sempre teve a aposta centrada na qualidade. Os cozinheiros por ele contratados estão na casa há cerca de dezoito anos e fazem parte da sua noção especial e afetiva de gestão familiar em tudo o que faz na vida porque o faz sempre com carinho e urbanidade.

Com uma cultura e cozinha invulgar relativamente à maioria das degustações que normalmente faço, aqui tivemos um misto de sabores. Para 1ª entrada três opções; uma samosa vegetariana (chamuça com recheio de legumes), murgh tandoori (frango marinado em ervas aromáticas e iogurte, grelhado no tandoor) e sahi naan (pão típico com recheio de queijo fresco e ervas frescas). A harmonização sugerida para estas entradas foram os Pousio Branco e Rosé. Como segunda entrada foi tandoori jhinga (camarão levemente condimentado, grelhado no tandoor) com duas opções nos vinhos, Giroflé e Muralhas. Para pratos principais três opções; murgh makhani (frango cozinhado em manteiga, natas, tomate e condimentos) palak paneer (cubos de queijo fresco caseiro, espinafres, especiarias e natas) e mutton biryani (arroz basmati com borrego e diversos condimentos) agora acompanhados com Quinta das Aveleiras e Fragulho. Duas sobremesas fecharam esta exótica degustação, um kulfi (gelado típico indiano, com amêndoas, cardamomo e pistachio) e a famosa bebinka (bolo de camadas feito, com farinha, ovos, amêndoa e noz moscada). Agora a harmonização foi com Moscatel Fragulho, sendo de realçar que regra geral as opções de bebidas na cozinha Indiana não são os vinhos, mas bebidas á base de sumos de frutas.

Com um excelente contador de histórias e boa companhia à mesa, o José Silva foi mais uma vez o convidado. Pedro Brum, responsável pelas fotos dos pratos mais votados, e o Nuno Osswald da sua equipa, foram quem comigo tive o prazer de compartilhar esta agradável degustação asiática.

Um restaurante de cozinha Indiana, invulgar, exótico e de qualidade que vale a pena não perder numa próxima saída ou visita à cidade do Porto.

Mário Rodrigues - Colunista e crítico gastronómico tem o apoio da SEAT

Acompanhe o escape no Facebook!
*Este texto foi escrito nos termos do novo acordo ortográfico.