PUB

Um imenso museu a céu aberto: a arte está na rua no Centro de Portugal

A arte está na rua! Seja na centenária azulejaria que faz escola em várias cidades ou na mais recente arte urbana, impactante em paredes e muros urbanos, há arte, muita arte para para apreciar na rua, num passeio por estas localidades do Centro de Portugal

Azulejos, cerâmica ou arte urbana? Uma galeria a céu aberto para descobrir em dez roteiros essenciais por localidades do Centro de Portugal.

Começou por ser uma necessidade: forrar a azulejo evita uma maior corrosão dos edifícios, principalmente nos locais à beira-mar. Ao longo dos séculos, as detalhadas peças pintadas à mão ou esculpidas tecnicamente tornaram-se arte. Os azulejos são hoje fonte de inspiração para um passeio em cidades de rara beleza, que estendem a outra produção de cerâmica, símbolo nacional, como Bordallo Pinheiro ou Vista Alegre. Mais recentemente a arte urbana tomou conta da rua, com artistas a oferecem as suas obras ao usufruto público. Na Rota da Cerâmica ou da Arte Urbana, descubra 10 cidades que são uma galeria a céu aberto.

Unspecified

Embarcar no detalhe, em Aveiro
Há vários edifícios que marcam esta tendência cultivada ao longo dos séculos, de que a estação ferroviária é um dos melhores exemplos. Totalmente revestida a azulejos azuis e brancos, o traço da cerâmica conta histórias locais num trabalho de detalhe que impressiona. No mesmo local, a marca do tempo é bem patente na obra que VHILS, um dos mais proeminentes artistas nacionais, imprimiu junto à estação ferroviária. O rosto, desenhado através das técnicas incomuns do artista habituado a esculpir stencil nas paredes, interpela quem por aqui passa, numa simbiose entre presente e passado.

Passeio pelas fachadas de Ovar
Conhecida pelas animadas festas de carnaval, Ovar é também um verdadeiro museu a céu aberto no que respeita à azulejaria, aplicada durante séculos nas fachadas de edifícios públicos e privados. Situada a curta distância de Aveiro, na cidade, até o final do século XIX, os azulejos de padrão semi-industrial foram aplicados nas fachadas da maioria dos prédios públicos, ornamentados com balaústres, pinhas e pequenas estátuas de cerâmica.

Arte sacra em Válega
Nesta vila junto ao mar, é a igreja matriz, uma das mais impressionantes do país, que concentra todas as atenções, nos belíssimos azulejos pintados à mão. Um prodígio desta arte que pode ser observado a partir da rua.

Guarda-rios em Estarreja
A curta distância, Estarreja tem-se destacado como um importante ponto de fruição de arte urbana. Foi a obra de Bordallo II, instalada no Parque Municipal de Antuã, “Guarda-rios”, e elaborada a partir de lixo que deu o mote. Graças ao Festival de Arte Urbana ESTAU, hoje são muitas as que pode visitar, espalhadas pela cidade, tal como indica este mapa que traça o roteiro de arte urbana.

Foto: Add Fuel

Azulejo urbano na Figueira da Foz
Também à beira-mar, na Figueira da Foz, a cidade ganhou uma instalação de arte urbana, nascida através do FUSING Culture Experience, e assinada pelo artista urbano Add Fuel. "Herança viva" é um mural colorido de azulejos que pode ser atravessado, e que elogia passado e presente da cidade.

A estes pontos de paragem ao ar livre adicionam-se dois locais onde a cerâmica é modo de vida.
Com uma história que remonta ao século XIX, a Vista Alegre é hoje uma empresa de topo na área da cerâmica, reconhecida internacionalmente. Da sua fábrica em Ílhavo saem delicadas peças em porcelana e vidro, mas a visita à loja e Museu da Vista Alegre tem muito mais histórias para contar, com uma cronologia destas peças e ainda a aldeia instalada em torno da fábrica, onde viviam e trabalham os funcionários e suas famílias.

Outro emblema da arte cerâmica, atualmente sob a mesma propriedade é a Bordallo Pinheiro, cujos objetos utilitários - pratos, travessas, terrinas, açucareiros, jarras - e decorativas fazem parte do imaginário nacional. Encontra toda a história, caricato e tradições nas Caldas da Rainha que homenageiam esta arte, em particular na Fábrica Bordallo Pinheiro.

Foto: Woolfest – Covilhã Art Festival

A lã e a arte, na Covilhã
Cidade neve, industrial, estudantil e, mais recentemente, cidade artística. A criação do Woolfest – Covilhã Art Festival foi determinante para que se venha tornando, a cada ano que passa, um mais extenso e completo museu a céu aberto, numa abordagem da arte urbana e das tradições e vivências da cidade, que pode ser apreciada em cada esquina. É preparar-se para as subidas e descidas acentuadas da urbe e seguir o roteiro!

A nova vida da renda no Fundão
Na cidade mais próxima a sul da Covilhã, o Fundão, foram outras as tradições que falaram mais alto, a partir de um olhar particularmente artístico. A polaca NeSpoon tem-se dedicado a elaborar impressões de rendas tradicionais - tão típicas da beira e de outras localidades portuguesas, em simetria, ordem e harmonia, em argila e em várias paredes da cidade.

Rui da Cruz

A arte da cor em Viseu
No interior, a cidade jardim, considerada por diversos anos a melhor do país para viver, é conhecida pelo património histórico, vinhos do Dão e, mais recentemente, também por um roteiro de arte urbana que tem nascido em edifícios votados ao abandono que conhecem nova vida através das obras de vários artistas, a convite do município.

Conheça em detalhe a Rota da Cerâmica e a Rota de Arte Urbana traçadas pelo Turismo Centro de Portugal.

Este artigo contou com o apoio do Turismo Centro de Portugal