Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Vida

Passeio em Família: pela estrada fora, guiando os rebanhos da Última Rota da Transumância

Manuel Oliveira

Da necessidade se fez tradição. Durante séculos, por altura do São João, os pastores iam para a estrada e conduziam milhares de ovelhas e cabras, sob o olhar atento dos cães, desde o sopé da Serra da Estrela até ao cimo da Serra de Montemuro, em busca de melhores pastos. Aí ficavam cerca de dois meses até regressarem, para a transumância de inverno. Desde 2015 que o município de Castro Daire recria a “Última Rota da Transumância”, que se realizou, efetivamente, em 1999. De grande simbolismo para a população, o ritual assinala-se de 21 a 23 de junho e é para celebrar em família.

Conta-se que a caminhada era especial. O maioral identificava bons terrenos para pernoitar, os pastores eram recebidos com pão, vinho e bolas e os animais enfeitados com fitas e pompons. Pretende-se reavivar muita dessa magia com um programa que começa no Jardim Municipal de Castro Daire. No primeiro dia há atividades lúdicas (gratuitas), como um ateliê do pompom, um workshop de confeção de queijo de ovelha Bordaleira e a degustação de “Iguarias da Transumância”, orientada pela Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro. Prove, por exemplo, o típico Bolo Podre, o “Chocalho Esmagado”, fritada à pastor (uma espécie de estufado de cabrito) com tosta de Bolo Podre, e licor de rosmaninho. À noite realiza-se um espetáculo musical pelo conjunto Verde Canto.

O ponto alto acontece dia 22, com a recriação da “Última Rota da Transumância”. Os rebanhos concentram-se na Quinta das Oliveiras, passam pelo centro da vila, junto a Vila Pouca, por Lamelas, Vilar e sobem a Serra de Montemuro até Campo Benfeito, uma Aldeia de Portugal, a mais de 1000 metros de altitude. São cerca de 15 Km, para fazer em quatro horas, sensivelmente. A participação não tem um custo, mas é preciso inscrever-se em www.transumanciacastrodaire.com. A diversão é garantida, nem que faça apenas parte do percurso ou se limite a tirar fotos aos animais. Em Campo Benfeito, esperam-no dança, folclore, música tradicional, fado, desgarradas, tasquinhas, ateliês e artesanato. As Capuchinhas de Campo Benfeito irão trabalhar ao vivo e mostrar o seu vestuário em lã e burel numa passagem de modelos. Acrescentam-se a tapeçaria, a madeira e, em princípio, as palhoças (típicas capas de junco).

Ainda no dia 22, realiza-se o jantar “Sabores da Transumância” (€13, requer inscrição). No exterior do Teatro de Montemuro, o Restaurante Típico do Mezio alimenta o corpo e a alma com o seu famoso arroz de feijão com salpicão. O sr. Júlio, último maioral da “verdadeira” transumância, fará como em tempos idos: vai bater nas panelas para chamar os pastores e estes retiram os chapéus, em sinal de respeito... Na manhã seguinte, quem quiser pode acompanhar novamente os animais, quando estes forem pastar. Mantêm-se os ateliês e a animação de rua e ainda há espaço para o seminário “Transumância e Património: Reflexões”, a decorrer no Teatro do Montemuro.

Menus da Transumância

Nesse fim-de-semana, vários restaurantes do concelho vão preparar menus especiais inspirados na gastronomia da transumância, que tem como elemento central a carne. Até surgirem as ementas, saiba que o Restaurante Pizzaria Rocha (Avenida António Serrado, Castro Daire. Tel. 962010810) por exemplo, serve todos os dias vitela de Montemuro grelhada (por vezes também assada), além do cabrito assado aos fins-de-semana, feriados e por reserva. Já a chanfana (para grupos), prepara-se com antecedência, para a carne de cabra velha ficar tenra. Ainda no centro da vila, recomenda-se o Rodízio Beirão (Avenida dos Bombeiros, 57, Castro Daire. Tel. 232381173), com o seu cabrito e vitela à posta, assados no forno, e o Restaurante Celso (Avenida General Humberto Delgado, 9, Castro Daire. Tel. 232 388 119). Perto do Restaurante Típico do Mezio (Largo Professor do Louro de Jesus, EN 2, Mezio. Tel. 254689265) fica também o Forno da Rua (Rua Central, 6, Mezio. Tel. 916293422), com um ótimo costeletão ou naquinho de vitela, e cabrito em forno de lenha.

A organização, a cargo da autarquia de Castro Daire, vai disponibilizar um local para acampar (preço a definir). Sugerem-se ainda a casa de campo Ares de Montemuro (Travessa da Cal, 12, Campo Benfeito. Tel. 964227989), as casas recuperadas da Aldeia de Codeçal (Codeçal, Gosende. Tel. 917632723), a Casa do Arco (Rua da Fonte, Cimo de Aldeia, Mezio. Tel. 938477727), o turismo rural Alvores do Tempo (Avenida Doutor Sá Carneiro, 17, Quinta dos Linhares, Castro Daire. Tel. 963720709) o Palace Hotel Asturias (Termas do Carvalhal, Tel. 232319190).

Este artigo contou com o apoio do Turismo do Centro de Portugal