Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Vida

Arganil, Góis e Lousã: o que ver antes e depois do regresso do Rally de Portugal ao Centro de Portugal

  • 333

Charly Lopez

Os amantes do automobilismo e do desporto automóvel já estão com a data apontada no calendário: dia 31 de maio é a data oficial de início do Rally de Portugal. Ainda por cima, a mais mediática das provas automobilísticas nacionais, a contar para o WRC - FIA World Rally Championship, começa na Região Centro por onde não passava desde 2001. Os troços dos concelhos de Arganil, Góis e Lousã fazem parte da história desta competição automobilística e o desejo de ver o seu regresso a esta região era partilhado pelo público, pelos pilotos e pelas regiões que assim esperam atrair mais turistas ao longo de todo o ano. A expectativa do presidente do ACP, Carlos Barbosa, é a de conseguir com a edição de 2019 aumentar o retorno económico que a prova gere, que na edição anterior ficou pelos 138 milhões de euros.


A partida oficial será em Coimbra, na Praça Dom Dinis, junto à Porta Férrea da Universidade. O Rally de Portugal, a 7ª prova do Campeonato do Mundo, tem percurso de 1.463,55 km, dos quais 311,59 km são disputados ao cronómetro ao longo de 20 especiais de classificação. Depois dos carros passarem, aproveite para descobrir a Região Centro, em especial os concelhos de Arganil, Góis e Lousã, à boleia do Boa Cama Boa Mesa.

Arganil
É considerada a “Capital do Rally” em Portugal. Fez sempre parte do percurso da prova nacional até 2001 e nas estradas das serras do concelho escreveram-se algumas das páginas mais históricas da competição, como a da façanha de Walter Rohrl, em 7 de março de 1980, quando o piloto alemão conseguiu vencer a prova, enfrentando um nevoeiro cerrado e deixando para trás o líder até então da competição, o finlandês Markku Alen, ganhando-lhe quase 6 minutos nas duas passagens. Sendo certo que na edição deste ano se voltará a fazer história, a festa começa na noite de 30 de maio, na antiga Cerâmica Arganilense. Celebra-se o regresso do Rally com um espetáculo de Vídeo Mapping, histórico, imersivo e interativo, que fará uma viagem ao Rally de Portugal a partir de Arganil, a Capital do Rally. Com entrada livre, será projetado na fachada da antiga cerâmica a partir das 22h00, com três sessões de 12 minutos. Espera-se uma viagem ao mundo do Rally de Portugal, desde os anos 60 até à atualidade, com os êxitos e momentos difíceis que esta prova superou ao longo de 50 anos. No dia da prova, no centro da vila, há, a partir das 12h00, uma paragem técnica, oportunidade perfeita para ver os carros de perto e para descobrir as ruas da vila de Arganil. Para recuperar forças, conte com o Restaurante A Grelha (Largo Padre Manuel Vasconcelos, 17, Arganil. Tel. 235 208 867), com propostas de grelhados, com A Tasquinha (Rua Jornal de Arganil, Arganil. Tel. 235 202 650) e com o restaurante A Impala (Sarzedo, Arganil. Tel. 235 205 504). Quando o pó assentar, rume à vila de Côja, e depois de um passeio pelo centro histórico parta à descoberta da Fraga da Pena, uma queda de água nos arredores da localidade de Benfeita e depois, perca-se pela aldeia de Piódão, uma das mais típicas aldeia de Portugal, também conhecida como Aldeia Presépio, construída na encosta da serra por casas em xisto, com telhados de lousa negra e janelas e portas pintadas de azul.

Góis
A pequena vila destaca-se pela Ponte Real, edificada por ordem de D. João III em 1533, sobre o Rio Ceira. Terra também associada às motas, a segunda maior concentração nacional realiza-se nas margens do rio, tem vários segredos para descobrir espalhados pelas pequenas aldeias onde passam perto os carros do Rally de Portugal. Passe pela Praia fluvial da Peneda, refresque-se na Queda de água em Carcavelos e descubra os recantos da aldeia serrana da Cabreira. A Praia fluvial do Colmeal é recomendável, em especial nos dias de maior calor, bem como a Albufeira do Cabril e a Piscina fluvial de Amiosinho e a Praia fluvial das Canaveias. Aproveite ainda para um passeio nas Aldeias do Xisto da Pena, Aigra Velha, Aigra Nova e Comareira. O concelho de Góis tem passeios a pé homologados e condições para a realização de passeios de canoa e descidas do Rio Ceira, bem como propostas de Canyoning na Ribeira da Pena. Os mais radicais podem optar por Escalada e Rapel no Penedo de Góis e na localidade de Candosa, perto de Vila Nova do Ceira. Para uma refeição regional, opte pelo restaurante Encosta da Seara (Avenida Eng. Augusto Nogueira Pereira, 16, Góis. Tel. 235 778 609). Não se esqueça que pelo concelho de Góis passa a “mítica” Estrada Nacional 2, a EN2, na freguesia de Vila Nova do Ceira, na vila de Góis e na freguesia de Alvares. O troço inicia-se ao Km 262, em Vila Nova do Ceira e termina no Km 308, na Louriceira. O ponto médio da estrada EN2 o marco 300, fica na freguesia de Alvares e tem inscrições em todas as quatro faces.

Lousã
Uma das mais dinâmicas vilas desta região do Centro do País, tem no Rally de Portugal uma forte tradição, facilmente comprovada na exposição “Memórias do Rally”, aberta ao público até 1 de junho na Biblioteca Municipal Comendador Montenegro, da autoria do fotógrafo lousanense Renato Ferreira. São algumas dezenas de fotografias que atestam a dinâmica que a passagem do rally nos espaços da vila e também nas classificativas gerava. A exposição é feita em parceria com os mentores do projeto “Isto é Lousã”, que pode ser observado em diversos pontos da serra da Lousã, pensados para serem fotografados e partilhados nas redes sociais. A exposição é uma das iniciativas do projeto “Isto é Rally na Lousã”, para o qual foi construído um carro de rally em madeira, que evoca os tempos gloriosos da prova, por agora em frente à sede do município. Na Serra da Lousã, há 12 Aldeias do Xisto para explorar, quando o pó assentar depois das duas passagens pelo troço da Lousã. Entre outras hipóteses, saiba que em Aigra Nova fique a conhecer a única aldeia com uma “maternidade de árvores” da região, no Núcleo da Maternidade de Árvores do Ecomuseu Tradições do Xisto. A partir da aldeia de Casal Novo deslumbre-se com a vista sobre a Lousã e o Castelo e na aldeia do Talasnal, a probabilidade de encontrar veados, corços, javalis e muitas outras espécies é elevada. É a Aldeia do Xisto da serra da Lousã que tem dado mais visibilidade à região. Prove um Talasnico, um doce que resulta da mistura do mel e da castanha da serra da Lousã, ou um Retalhinho, um pastel à base de castanha e amêndoa. Na aldeia de Cerdeira recorde o cenário do filme “O Fim do Mundo”, do realizador português João Mário Grilo, feito em 1992 e que conta a história dos três últimos habitantes da Cerdeira, quando uma discussão sobre a partilha de água acabou com a vida na aldeia. Não deixe de fazer uma visita ao Castelo da Lousã e aproveite para conhecer o restaurante O Burgo (Nossa Sra. da Piedade, Lousã. Tel. 239 991 162) e provar o já famoso Cozido Serrano. Na aldeia de Candal visite o restaurante Sabores da Aldeia (EN 236, Candal, Lousã. Tel. 239 991 393) onde se destaca o cabrito assado, a alheira de caça e a chanfana. No Restaurante Ti Lena (Aldeia do Xisto do Talasnal, Lousã. Tel. 911 932 948) conte com especialidades regionais e com uma esplanada contemplativa para a serra da Lousã. Mergulhe na história ao fazer uma refeição no Restaurante A Viscondessa (Largo Viscondessa do Espinhal, Palácio da Lousã Boutique Hotel, Lousã. Tel. 239 990 800). O edifício foi o Palácio da Viscondessa do Espinhal e oferece uma cozinha sofisticada mas de raiz regional.


Como ponto de referência, a Lousã, na região Centro de Portugal, situa-se a 210 km de Lisboa e a 160 km do Porto.

Este artigo conta com o apoio Galp app EvoDriver. A app Galp EvoDriver acompanha-o nas suas viagens.

Este artigo foi originalmente publicado na edição de quinta-feira, 23 de maio de 2019, do Expresso Diário

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook e no Instagram!