Boa Mesa

Lurdes Graça: “É um orgulho muito grande ser reconhecida”

Lurdes Graça, com filho Paulo
Rui Duarte Silva

Não gostava de cozinhar, mas por amor ao marido, que trabalhava na área da restauração, entregou-se ao ofício. Há 36 anos que está na cozinha do restaurante O Manjar do Marquês, uma referência na gastronomia nacional, que lhe valeu, este ano, a atribuição Prémio Carreira Boa Cama Boa Mesa 2021

Começou já tarde a trabalhar numa cozinha, tinha 50 anos, sem “gostar, nem querer”. Contudo, a entrega e persistência e, sobretudo, o amor ao marido, já falecido, fizeram com que rapidamente se tornasse na “rainha” nacional do arroz de tomate, prato que, é consensual, cozinha como ninguém.
Em dezembro último completou 89 anos. Mas antes do meio-dia já está à volta dos tachos e panelas d´O Manjar do Marquês, afamado restaurante à beira da Estrada Nacional 1, em Pombal, ponto de paragem obrigatório para quem está em viagem, já para não falar de quem aqui vem de propósito para comer as especialidades da D. Lurdes.

Lurdes Graça começou por trabalhar em Lisboa, na Companhia dos Telefones, mas por amor ao marido, que já trabalhava na área da restauração, teve que mudar. “Foi muito difícil, mas tive de me adaptar”, confidencia. Mas valeu a pena. “É um orgulho muito grande, depois destes anos todos, ser reconhecida, por entidades como a vossa”, congratula-se.

Eu sou uma pessoa muito persistente. Este restaurante está aqui porque eu entendi que tinha de ser. Que tinha de deixar alguma coisa aos nossos vindouros”. O marido não queria. “Queria poupar-me, porque já tínhamos trabalhado muito na vida, mas eu sou uma pessoa muito ativa e não queria parar”, confidencia ao Boa Cama Boa Mesa.

Depois do emprego nos telefones, em Lisboa, Lurdes e o marido, Evangelista Graça, abriram uma cervejaria e, depois, exploraram o bar de uma estação de combustíveis, tornando-o então numa referência para quem passava, quer pela doçaria que vendia, quer pelos pastéis de bacalhau e filetes com arroz de tomate que D. Lurdes começou a fazer. Mas a gasolineira teve que mudar de instalações e o casal perdeu o seu espaço. Os anos 80 iam a meio. Evangelista achou que era tempo de parar e aproveitar a vida. “Já trabalhámos muito, vamos passear, viajar pelo mundo”, recorda Lurdes Graça. “Mas eu não quis, disse-lhe que já tinha viajado o que havia para viajar”, ri. E assim nasceu O Manjar do Marquês.

O segredo do sucesso é simples, como admite a própria. “Sou uma pessoa muito exigente e só assim é que se consegue chegar onde cheguei”, explica. Segundo conta, as pessoas sempre questionaram como é que, enquanto casal, se entendiam a trabalhar juntos, ela na cozinha, ele no escritório e na sala dos espaços que foram tendo. E a resposta vinha sempre ligeira: “Fácil, cada um mete-se no seu setor e nenhum se mete no do outro. Havia respeito. O meu marido era um relações públicas por excelência, uma pessoa muito alegre, sempre muito bem disposto”.

Coincidências da vida, Evangelista Graça era muito amigo de Emílio Andrade, o dono da Adega Tia Matilde, em Lisboa, que este ano recebe o Prémio Carreira Boa Cama Boa Mesa 2021 em ex aequo, precisamente, com Lurdes Graça. “Eles eram muito amigos, sim. Íamos lá muitas vezes, quando íamos para a casa que tínhamos em Lisboa, gostávamos muito de ir comer à casa dele”, confirma D. Lurdes.

O que poucos saberão é que, apesar de ser uma cozinheira de mão cheia, o que Lurdes Graça gostaria verdadeiramente de ter sido, era artista de teatro e fadista. “Era muito amiga da Amália Rodrigues. Ela vinha aqui muitas vezes. Sempre que tinha um espetáculo aqui perto era à nossa casa que vinha arranjar-se, preparar-se e tomar um chazinho. Era fantástica, a Amália”, lembra, prosseguindo, “quando era mais nova o que queria mesmo era ir para o teatro, a minha paixão ainda hoje. Mas naquela altura diziam-me para não fazer isso, porque as pessoas com pouco juízo é que iam para o teatro”, lembra, a rir.

A verdade é que pode ter-se perdido uma grande fadista ou atriz, mas ganhou-se uma cozinheira com um talento incrível que há 36 anos leva ao O Manjar do Marquês uma legião de fãs – e outros tantos curiosos - dos pratos que ainda cozinha com tanto afinco e amor.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!