Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

Terreiro: o fabuloso mundo da mixologia desembarcou no Funchal

A experiência é extensível a dois espaços diferenciados, mas complementares entre si: um gastrobar e um restaurante. Acrescente a música ao vivo, ingrediente indissociável de um fim de tarde e noite passadas em boa companhia. O jardim, já com o Water Bar pronto é, por sua vez, palco de cinema ao ar livre, outra das ações a integrar no programa, de acordo com Gonçalo Abreu, Head & of Concept & Operations.

Galha, Mula Madeirense ou Xavelha. Sabe o que significa? Pode sempre perguntar a quem está ao balcão ou a servir às mesas do Terreiro ou não fossem estes apenas alguns dos mais inusitados nomes dos cocktails criados por Zózimo Castro. Mixologista há mais de duas décadas, desempenha a função de responsável pela carta de bebidas disponível no Terreiro, seja na escolha dos clássicos, seja na triagem de uma vasta oferta de destilados, entre outras preciosidades. Está, então, tudo a postos para brindar ao ambiente descontraído e, simultaneamente, glamoroso deste espaço assinado pela designer de interiores Nini Andrade Silva.

Porque a gastronomia também é comida, aconselhamos a espreitar a carta de snacks para harmonizar com a bebida solicitada. Escolha entre os Cornetos de sapateira (€4/ 2 unidades) e os Cornetos do mar e da terra (€5/ 2 unidades) ou as Memórias de carne de vinha d’alhos (€6/ 2 unidades). Os Milhos rotos (€7), os Mini pregos (€8/ 4 unidades) e a Terrina de porco à portuguesa (€14) são outras das opções a considerar e sempre para partilhar. Aos mais refinados recomendamos a Terrina de foie gras e chutney de maracujá (€14), assim como os Queijos portugueses (a partir de €11), os Enchidos portuguesas (a partir de €14) ou a dupla infalível de Queijos e enchidos (€25).

O Ceviche de peixe da costa (€9) e o Tártaro de novilho (€10) ficam para os apreciadores de raw food, enquanto os que preferem comida mais leve podem optar pela Salada do Terreiro (€9) ou pela famosa Salada Caeser (€14). Deixamos, ainda, o desafio para a melhor combinação com as três sobremesas do gastrobar: Arroz doce Vinho da Madeira e lima (€3), Pavlova à Terreiro (€4) e Verrine chocolate e morango (€5).

O foco nas raízes da cozinha madeirense é mostrado ao mundo sem rodeios, mas com todo o requinte, na lista do Terreiro Concept desenvolvida para o restaurante, instalado no andar superior do edifício. O conceito, centrado na primazia dos produtos regionais, resulta no trabalho conjunto dos chefs Alexandre Henriques, dotado do seu know-how, e Francisco Leão, o sub-chefe mais irreverente na senda entre tachos e panelas. Destaque para os Chicharros desconstruídos (€7), a comprovar o desperdício zero implementado pela dupla de cozinheiros, sendo a espinha deste peixe marinada em soja e desidratada, para que fique estaladiça e pronta a comer. A Medinha “macarrão das tascas” (€9), prato típico das tascas da ilha, aqui aperfeiçoado no equilíbrio dos sabores e na apresentação. A partilha é extensível à Caldeira (€30, para duas pessoas), a caldeirada tradicional da ilha.

A carta dita, ainda, as influências internacionais, com os Tortellinis abóbora (€8), o Tártaro de novilho (€11), a Espécie de coentrada (€12), o Foie gras (€18) ou o Carabineiro “à lá guilho” (€29), na lista das entradas. Na sequência das novas tendências à mesa, o Terreiro propõe o Bouquet de legumes da época (€14), Tofu (€16) e Seitan (€18), para vegetarianos e vegans.

Prossiga com a leitura, desta vez, dos pratos principais divididos entre peixe e carne. Das águas do oceano, Alexandre Henriques e Francisco Leão sugerem o Risotto do mar (€18) e o Peixe da costa e cabeça (€22). Da terra, ficam a Pintada outono (a partir de €22), o Bife à Terreiro (a partir de €24) e a Carne maturada (€70, para duas pessoas), com molho bearnaise e chimichurri.

Termine com o mais doce momento da refeição. Opte entre o Cheesecake (€6), o Parfait de abacate e chocolate (€7) e os Sabores de outono (€8) ou a Fruta laminada da Madeira (€5).

Para o desfecho, deixamos um teaser sobre o que vai acontecer, ao longo do ano 2020, no Terreiro, no âmbito do trabalho de pesquisa de produtos locais efetuado por Gonçalo Abreu e pelo consultor gastronómico Nuno Nobre, em conjunto com o chef Alexandre Henriques e o sub-chef Francisco Leão. Este projeto, determinante na valorização da identidade, da cultura e da tradição gastronómicas da Madeira, é designado de “Legado” e será materializado em cinco eventos gastronómicos. Cada um terá um ingrediente que foi objeto de investigação e um menu constituído por seis a oito momentos. O funcho, planta que deu origem ao nome da cidade do Funchal é, como não poderia deixar de ser, o primeiro a protagonizar o jantar de arranque agendado para 5 de fevereiro. Os restantes, mas não menos importantes, são a cana de açúcar, a 8 de abril, o tunídeo, a 3 de junho, a pimpinela, a 9 de setembro, e a anona, a 4 de novembro. Nas harmonizações entram as águas aromatizadas, os vinhos, mas também os cocktails de Zózimo Castro.

O Terreiro (Rua Imperatriz Dona Amélia, 107, Funchal. Tel. 291213010), espaço pertencente à marca Savoy Signature e vizinho do novo Savoy Palace, está aberto diariamente, com o gastrobar a funcionar das 15h00 às 00h00, de domingo a quinta-feira, e até às 02h00, à sexta e ao sábado. O horário do restaurante é das 18h00 às 00h00.

O Boa Cama Boa Mesa viajou para a Madeira com o apoio da TAP Air Portugal.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!