Boa Cama, Boa Mesa

Siga-nos

Perfil

Perfil

Boa Mesa

Concurso nacional elege o melhor bolo-rei deste Natal

Massa fofa misturada com passas, sultanas, frutos secos, fruta escorrida - e mais alguns segredos bem guardados -, são os ingredientes do melhor Bolo-rei do ano. Aliás, o “Melhor dos Melhores” e também “Medalha de Ouro”. E o grande vencedor não constitui propriamente novidade, já que é o terceiro ano consecutivo que arrebata o prémio da Qualifica / oriGIn Portugal.

Suspense feito, vamos então revelá-lo: de forma redonda, com um grande buraco no centro - como é suposto -, foi feito pelas mãos apaixonadas e habilidosas de Pedro Ferrão e Milu, da Pastelaria Flor de Aveiro (Estrada de S. Bernardo, Aveiro. Tel. 234343342).

A mesma pastelaria ganhou ainda uma “Medalha de Ouro” na categoria Bolo-rainha e uma “Medalha de Bronze” no Bolo-rei Escangalhado.

Ainda no “departamento” de melhor Bolo-rei, foram agraciadas com uma “Medalha de Prata” a Panificadora Pão da Vermelha, na Vermelha, a pastelaria A Lenda, na Benedita, e a pastelaria Briosa, em Coimbra.

A eleição, que teve lugar recentemente no Centro Nacional de Exposições de Santarém, está integrada nos Concursos Nacionais de Produtos Tradicionais Portugueses, cujo objetivo é motivar os produtores para o respeito pelos modos de produção, as receitas e o uso de ingredientes genuínos.

Os critérios de seleção e avaliação dos bolos-reis são bastante rigorosos: bolo lêvedo ou brioche, de miolo amarelo, resistente ao esfarelamento, contendo no mínimo 800 g de frutas por kg de farinha na massa, e o dobro a decorar. A fruta a enfeitar deve ser “escorrida” e estar harmoniosamente distribuída e cortada a dar enfeite. A superfície do bolo deve ser brilhante sem ser pegajosa. A forma do bolo deve ser circular e perfeitamente definida.

O centro do bolo-rei deve ser aberto e a altura da fatia deve ser cerca de 1/3 do diâmetro do bolo. A parte superior deve ser castanha alaranjada e, junto à base, amarelada. O brilho deve estar presente em todo o bolo. A decoração deve ser equilibrada, com cores alternadas das frutas, com fruta seca espalhada na superfície e “montinhos” de açúcar.

Por fim, o miolo deve ser uniforme, húmido, elástico e resistente ao esfarelamento, com cor amarelo de gema e sem escurecimento junto à fruta escorrida e seca. As frutas presentes devem ser escolhidas por tipos e cores.

Preparados e elucidados agora para escolher o que é um “verdadeiro” e tradicional bolo-rei?

Em simultâneo com o Concurso Nacional de Bolo-Rei, decorreu também o Concurso Nacional de Bolos Especiais de Natal, de que saiu como vencedor uma galantine de frutas, da Pastelaria Briosa.

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook e no Instagram!