Boa Cama

Novo hotel nos Açores oferece banhos quentes numa estufa de ananases

PAULO GOULART PHOTOGRAPHY
19

[Fotogaleria] O Senhora da Rosa, Tradition & Nature Hotel abre a 16 de abril, numa quinta secular de São Miguel e em simbiose com a vegetação. Tem um spa no jardim, um restaurante e 35 quartos e suítes, incluindo dois lodges de madeira ao lado das bananeiras

[FOTOGALERIA] A passada é vagarosa para dar tempo aos detalhes. Aos relvados e muretes de pedra vulcânica tomados de musgo. Às camélias, inhames, goiabeiras e nespereiras. À vigorosa araucária cercada pelo canavial de bambu e ao trilhos da mata. O Senhora da Rosa, Tradition & Nature Hotel, um quatro estrelas superior, abre a 16 de abril numa propriedade com mais de três hectares, em pleno “pulmão” micaelense.

Na base do projeto está, desde logo, a celebração da natureza. No século XVIII, a quinta produzia laranjas, mas uma praga levou a apostar na plantação de ananás, que se mantém. Dentro de uma das estufas de ananases, a primeira surpresa: um tanque de água aquecida para ir a banhos! E é aqui que se começa a entender o segundo sustento do projeto, a homenagem à tradição. Joana Damião Melo, que o fundou em sociedade com o irmão, Miguel Damião, e José Pedro Sousa, recorda-se dos dias quentes de estio em que costumavam “fazer competições para ver quem conseguia atravessar a estufa”. Corriam pela quinta, construíam casas de madeira e subiam às árvores para apanhar fruta até a avó os chamar para o lanche tocando o sino. Preservar a memória era vital e, por isso, o estufim onde a avó punha os fetos será recriado com plantas.

Musgo Spa e lodges
Continuamos no exterior, agora no Musgo Spa, que aparece encaixado num desnível do terreno, sob a piscina ao ar livre. Tem quatro salas de tratamento com terraço, sala de relaxamento, banho turco, sauna e um estúdio para aulas de ioga e de pilates. Dá-se primazia a óleos essenciais com origem na matéria-prima da quinta ou da ilha, na sua estação, e a produtos da linha Scens, orgânica e vegan. Perdidos no verde, dois Tranquility Garden Lodges recriam os antigos cafuões onde se armazenavam os cereais. Recuperam a madeira criptoméria da ilha e são compostos por um quarto com bonitas camas em ferro, à antiga, casa de banho, zona de estar e varanda coberta para tardes de ócio e leituras a ouvir os pássaros, diante das bananeiras. Ah... e uma banheira ao ar livre...

Prepare-se para a obra de arte que ilumina o lobby e a receção. O impactante e delicado lustre de Tim Madeira, encimando um jogo de sofás com plantas ao centro. Na zona de estar há “carrinhos para levar licores” de boas vindas e vê-se uma loja de produtos açorianos. O bar, moderno, intimista e em tons de verde discreto, convoca os veludos e madeiras, a mesa de bilhar, a lareira e uma coleção de latas antigas.

PAULO GOULART PHOTOGRAPHY

Natureza nos quartos
Joana está satisfeita com a obra, que anseia dar a conhecer às pessoas. “Quero poder desfrutar do hotel, é muito importante, e receber o feedback dos hóspedes.”, comentou na visita do Boa Cama Boa Mesa. Em 1994, começou aqui a funcionar uma estalagem, bem acolhida. Encerrou em 2011 e o edifício esteve ao abandono. O projeto atual aumentou a capacidade de alojamento (desde €110) para 35 quartos, incluindo uma Junior Suite e uma Family Suite, esta com dois quartos. As restantes 33 unidades - além dos Tranquility Garden Lodges – estão no edifício principal. Vinte ficam no piso inferior e podem ter um terraço e vista para a piscina ou acesso a uma zona comum com relvado e um tanque de refrescamento. No piso superior o trunfo é a varanda.

Enormes fotografias da ilha, da autoria de fotógrafos como João Moniz, Paulo Goulart ou o próprio Miguel Damião, ocupam toda a parede da cabeceira das camas. Captaram inhames, lagoas, montanhas e até “místicas” araucárias... É para a exuberância da natureza que o olhar se direciona, o que é facilitado pela transparência dos candeeiros e mesinhas de cabeceira. As luzes são ténues e a simplicidade estende-se aos roupeiros com cortinas. Nas casas de banho, recuperaram-se espelhos da antiga estalagem e as amenities são feitas à base de laranja, limão, banana ou castanha, produtos da quinta, e chegam na forma de champô sólido, creme de corpo e sabonete em barra, sem recurso ao plástico. São produzidas por uma saboaria local, uma abordagem de proximidade que é transversal. Foi a mãe de Joana e Miguel, Lili Damião, quem decorou os interiores, casando peças e móveis antigos e contemporâneos. Veja a vitrine com bonecas de infância, chapéus, caixinhas de pó de arroz e os conjuntos de esgrima e de casa dos avôs.

PAULO GOULART PHOTOGRAPHY

Sustentabilidade e o restaurante
O hotel produz a maior parte da energia consumida através de painéis fotovoltaicos e solares, tem três zonas de compostagem, bombas de calor e tanques de reaproveitamento de águas pluviais para rega, e abastece o restaurante Magma com produtos das suas hortas biológicas. Pela elegância da sala, onde sobressaem os ondulantes candeeiros da italiana Paola Navone, não se adivinha que aqui já funcionou a serralharia do avô. Liderado pelo chef João Alves (passou pelo Pine Cliffs Resort e Penha Longa Resort), o Magma servir pequeno-almoço, almoço e jantar. Tem esplanada e conte com uma envolvente gastronomia contemporânea, baseada nos produtos e sabores locais, como a pimenta da terra, o chá, os queijos, as conservas e o peixe do Atlântico. O chef vai revisitar alguns clássicos da estalagem, aplicando técnica e criatividade, e desenvolver novidades. Pastéis de massa tenra de rabo de boi, atum dos Açores com inhame, batata doce e sunomono, lombo de vaca dos Açores com legumes da terra e, claro, o ananás caramelizado com clementinas, são possíveis vias para o deleite. A carta é semestral e deve incluir um menu de degustação.

A partir de junho, no Senhora da Rosa, Tradition & Nature Hotel (Rua da Senhora da Rosa, 3, Ponta Delgada, ilha de São Miguel. Tel. 937025554) pode subir ao descontraído bar rooftop Mirante para provar petiscos do mundo, cocktails e extasiar-se com a vista sobre a ilha, no interior ou na esplanada. Consegue ver o mar e vários picos de montanha. Espreite ainda o campo de padel, o centro interpretativo, kids club e a capela do século XIX, aberta a visitas e celebrações religiosas.

PAULO GOULART PHOTOGRAPHY

O Boa Cama Boa Mesa viajou a convite da ATA - Associação de Turismo dos Açores

Acompanhe o Boa Cama Boa Mesa no Facebook, no Instagram e no Twitter!